Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Sustentabilidade’

O Blog Mundo Verde, em parceria com a Moleco, está com uma promoção especial incentivando a reflexão sobre ações de sustentabilidade. Você vai ter a chance de demonstrar seu amor pelo mundo e ainda ganhar um kit “Eu amo o mundo”!

O kit “Eu amo o Mundo” contém:

  • Uma ecobag exclusiva do Mundo Verde;
  • Um caderno Moleco pequeno;
  • Um caderno Moleco grande.

ecobag mundo verde
moleco

Para participar, deixe um comentário respondendo à seguinte pergunta:

“O que você carregaria em sua ecobag Mundo Verde e o que você escreveria no seu Moleco para registrar seu amor ao Mundo?”

Os autores das três melhores respostas ganharão um kit “Eu amo o Mundo”. O resultado será divulgado no dia 18 de setembro de 2009 aqui no Blog, no Blog Moleco e nos twitters @moleco e @mundoverde.

As regras da promoção são:

  • Só serão aceitas respostas postadas nos comentários com nome completo e endereço de e-mail correto.
  • A frase tem que responder às duas questões (tanto o que você colocaria na ecobag quanto o que você escreveria no Moleco).
  • Você pode concorrer com mais de um comentário nos dois blogs, mas as respostas devem ser diferentes.
  • Só serão entregues um kit por pessoa, independente do número de boas respostas enviadas.
  • Funcionários do Mundo Verde ou da Moleco, ou seus familiares não podem participar da promoção.
  • As três melhores frases postadas no Blog Mundo Verde serão escolhidas pela equipe de marketing do Mundo Verde.
  • Só serão aceitos comentários enviados até as 23h59 da quinta-feira, dia 17 de setembro.
  • Ao responder à perguntar e comentar no Blog você estará automaticamente autorizando a Rede Mundo Verde a utilizar sua imagem, seu nome e a frase na divulgação da campanha.
  • O resultado será divulgado aqui no Blog na sexta-feira, dia 18 de setembro, em um post com as respostas vencedoras.

Demonstre pra gente seu amor pelo mundo! Seja criativo e mande sua idéia de consumo consciente! Um dos kits pode ser seu!

Read Full Post »

Ontem nós recebemos um texto interessante por e-mail sobre como as bolsas femininas carregam sujeiras e impurezas de diversos lugares ao longo de um dia. O texto é uma tradução de um artigo escrito em inglês, que está no site Current. Vejam abaixo a versão traduzida:

Você já parou para pensar onde sua bolsa vai durante o dia? A mulher transporta bolsas por todos os lugares, desde sanitários públicos até o piso do carro. Costumam levar suas bolsas em banheiros públicos e, em seguida, as colocam diretamente sobre a mesa, na mercearia, em carrinhos de compras…

Você acha que sua bolsa é limpa? Comece a duvidar!

Você acha que sua bolsa é limpa? Comece a duvidar!

Numa pesquisa feita no Laboratório Nelson em Salt Lake City (EUA), a maioria das mulheres afirmou que não param para pensar sobre o que está na parte de baixo da bolsa, mas admitem que pode estar suja. Colocam em carrinhos de compras, chãos diversos e depois levam para a cozinha sobre mesas e balcões onde os alimentos são preparados. Muitas vezes as bolsas ficam no colo, sobre o vestido ou sobre o joelho. Acontece que as bolsas são tão surpreendentemente sujas, que até o microbiologista que as testou ficou chocado.

O microbiologista Amy Karen do Laboratório Nelson diz que quase todas as bolsas testadas, além de apresentarem muitas bactérias, são tipos de bactérias nocivas. Pseudomonas podem provocar infecções oculares; Staphylococcus aureos pode causar graves infecções cutâneas e salmonelas e e-coli podem se desenvolver em muitas doenças.

Sede dos Laboratórios Nelson (EUA), onde o estudo foi realizado

Sede dos Laboratórios Nelson (EUA), onde o estudo foi realizado

Em uma amostragem, quatro das cinco bolsas testadas foi positivo para as salmonelas, e esse resultado não é o pior. “Existe contaminação fecal que fica na mão” diz Amy.

Bolsas de couro ou vinil tendem a ser mais limpas do que bolsas de pano, e o estilo de vida parece desempenhar um papel preponderante. As pessoas com filhos tendem a ter bolsas mais sujas do que aqueles sem filhos, com alguma exceção.

Amy afirma que a bolsa de uma única mulher que freqüentava boates tinha uma das piores de todas as contaminações. “Alguns tipos de fezes, ou possivelmente vômito”. Então, a moral dessa história é que sua bolsa não vai te matar, mas tem o potencial de torná-la muito doente se a mantiver em lugares onde você come.

Use os ganchos para pendurar a sua bolsa em casa e nos banheiros e não colocá-la em sua mesa, nas mesas de restaurantes ou nos balcões da sua cozinha.

Pendurar as bolsas evita a contaminação

Pendurar as bolsas evita a contaminação

Os especialistas dizem que você deve comparar sua bolsa a um par de sapatos. “Se você pensar em colocar um par de sapatos em seu balcão de cozinha, essa é a mesma coisa que você está fazendo quando coloca a sua bolsa sobre os balcões.”

Por onde você leva sua bolsa, algumas pessoas próximas podem espirrar, tossir e o chão pode ter sujeiras de fezes, urina, larvas diversas… Você realmente deseja levar tudo isso para casa? Onde você guarda sua bolsa? Os microbiologistas do laboratório também disseram que uma boa limpeza sempre pode ajudar.

E falando sobre bolsas…

O Mundo Verde acabou de produzir ecobags exclusivas novinhas em folha que estarão disponíveis nas lojas da rede em breve.

A iniciativa de disponibilizar bolsas ecológicas nas lojas Mundo Verde por todo o país visa a incentivar a reflexão sobre os usos (in)conscientes do saco plástico no nosso dia-a-dia. Afinal, vocês não concordam que já tem plástico demais circulando por aí?

O plástico demora cerca de 400 anos para se decompor no meio-ambiente. E só no Brasil são distribuídas 12 milhões de sacolas plásticas por ano. Substituir as sacolas plásticas por uma bolsa ecológica é uma maneira ecosustentável de colaborar para a diminuição dos plásticos que circulam pelo mundo.

Essa é a nova Ecobag Eu Amo o Mundo!

Essa é a nova Ecobag Eu Amo o Mundo!

Muitos leitores já nos perguntaram: “Mas é impossível acabar de vez com todos os plásticos! E o que eu faço com aqueles que acabam chegando em minhas mãos?”. Reutilizar, sempre… E reciclar!

Quando o plástico já está em suas mãos, a melhor atitude é achar um uso imediato para ele, e evitar que o plástico seja levado diretamente para os lixões e aterros – onde com certeza vai ficar lá jogado até se decompor.

E com a dica do post de hoje é bom lembrar em manter a ecobag sempre limpa! Separe uma ou duas para carregar apenas alimentos e lave as bolsas com frequência, para evitar contaminação. Depois que colocar as bolsas no chão do carro ou do ônibus, não deixe-as nos balcões da cozinha ou na sua cama.

Cuide do meio ambiente e também cuide do seu bem-estar!

Read Full Post »

Na segunda parte do artigo de Isabela Antunes Joffe (leia aqui) conhecemos um pouco sobre as características de cada tipo de tecido alternativo ou sustentável para a produção de peças do vestuário.

Comprar sem esquecer de ser verde é uma atitude consciente

Comprar sem esquecer de ser verde é uma atitude consciente

Na parte final do artigo, Isabela destaca a importância da conscientização individual e da mudança de postura sobre a moda.

É possível produzir roupas tanto usando substâncias alternativas quanto nocivas à saúde. Mas o que realmente importa é uma nova postura,  promovendo a visibilidade do uso intensivo da natureza de forma manejada, com respeito e nobreza de espírito e ainda comprometida com o verde do nosso mundo! Consumir com consciência, doar, reciclar e reaproveitar.

A moda é passageira, mas o ato de vestir é constante, diário e transformador. Afinal de contas, chique é Ser Consciente!

As escolhas são muitas. Ser consciente é uma delas.

As escolhas são muitas. Ser consciente é uma delas.

Os tecidos devem cumprir a regulamentação estipulada pela associação de comércio de orgânicos da sua região ou por órgão regulador, no que diz respeito à produção, ao tingimento e ao manuseio das fibras. É importante que exibam seu certificado nas embalagens. Entre suas matérias-primas devem estar tecidos reciclados ou reutilizados, tecidos em algodão orgânico, couros alternativos, fibras naturais, tecelagem natural e látex natural da Amazônia.

Alerta dos especialistas

Nem sempre as roupas feitas de fibras alternativas podem ser consideradas “produtos sustentáveis”. Se o cultivo implicar em derrubada de florestas, envolver mão-de-obra infantil, explorar os trabalhadores (como acontece na indústria têxtil, especialmente na China), gerar desperdício, ou exigir muito combustível no transporte, os danos ambientais e sociais anulam os benefícios.

Por isso a sustentabilidade deve estar no processo de produção e consumo como um todo e não somente focado na seleção da matéria-prima.

Fique atento: tecidos orgânciso nem sempre são garantia de moda sustentável.

Fique atento: tecidos orgânicos nem sempre são garantia de moda sustentável.

Os tecidos orgânicos e sustentáveis podem requerer cuidado especial. Leia sempre as instruções de lavagem na etiqueta de cada produto. Embora muitos tecidos possam ser lavados a máquina, alguns requerem lavagem a mão. Utilize detergentes livres de fosfato e biodegradáveis e seque as roupas no varal para reduzir o consumo de energia.

Toda nação deve legislar em favor da natureza, dos animais e do meio-ambiente.

Para saber mais sobre esse assunto, dê uma olhada nos sites que Isabela utilizou como fonte de pesquisa para a redação do artigo (os três primeiros em inglês):


Este post faz parte da Blogagem Coletiva Meu Consumo é Consciente e incentiva a compra de artigos de moda sustentáveis e o consumo responsável. Antes de se entregar a uma liquidação e comprar sem pensar, reflita sobre os impactos do excesso de consumo no mundo, seja curioso, descubra de onde chegam os tecidos que você veste, quem são os trabalhadores das suas lojas preferidas e faça da Moda Verde seu jeito de ser chique e consciente!

Read Full Post »

A segunda-feira começou muito boa! O Blog Mundo Verde foi convidado para participar da Blogagem Coletiva Meu Consumo é Consciente, que vai mobilizar dezenas de blogueiros de hoje até dia 30, domingo. Muito obrigada à Cybele Meyer que nos fez o convite oficial!

Além disso, recebemos também o selo “Seu Blog é Viciante” do Blog O Único Planeta que temos! Amanhã vamos indicar nossos 10 blogs viciantes!

Hoje vamos iniciar nossa participação na Blogagem Coletiva falando mais sobre o consumo consciente na moda. É a continuação do artigo de Isabela Antunes Joffe que postamos na sexta-feira (leia a primeira parte aqui). Na segunda parte do artigo, Isabela apresenta algumas fibras ecológicas e fala sobre as características de cultivo e uso, confiram:

Algodão: O tecido  do algodão orgânico é confortável, saudável, antialérgico, fresco e flexível. Sua produção pode ser agroecológica (não certificado) e orgânica (certificado), além da tradicional, feita com o uso de pesticidas e inseticidas, que causam problemas tanto ao meio ambiente (poluição nos lençóis freáticos) quanto aos trabalhadores (doenças).

O modo como o algodão é cultivado garante seu consumo consciente

O modo como o algodão é cultivado garante seu consumo consciente

No cultivo do algodão orgânico, o campo deve estar livre dos aditivos químicos, no mínimo, durante três anos, antes de ganhar a certificação. Uma de suas vantagens sócio-ambientais é o fato de não passar pelo processo de branqueamento, não utilizando cloro.

Cânhamo: Uma fibra natural muito durável e que não requer pesticida, necessitando de pouca água para crescer. Por ser uma fonte renovável, os fazendeiros podem simplesmente espalhar as sementes  do cânhamo pelo chão e cultivá-lo ano após ano.

Exemplo de textura de cânhamo

Exemplo de textura de cânhamo

Normalmente suas fibras são misturadas com algodão e seda, devido à rigidez do cânhamo. Podem ser usadas em vestuário, cosméticos e papéis. A grande questão é que o cânhamo também é conhecido como a planta Cannabis, outro nome para maconha, tornando-se um assunto polêmico.

Juta: Planta cultivada na Amazônia por uma comunidade ribeirinha desde 1940.  Depende exclusivamente de água para se desenvolver, dispensando o uso de aditivos químicos. Seu cultivo para abastecer a sua produção gera emprego para habitantes das regiões ribeirinhas, que sobrevivem exclusivamente dos recursos gerados por essa lavoura, além de poderem preservar o seu folclore, com rituais de plantio e de colheita.

A primeira versão da sacola Mundo Consciente era feita de juta

A primeira versão da bolsa Mundo Consciente era de juta

Várias são as tonalidades criadas a partir do urucum, chá de macela, anileira, pau-brasil (de reflorestamento) e açafrão. Sua decomposição do produto no descarte é muito simples e fácil: A juta se desfaz em dois anos, enquanto o algodão leva 10 anos e o poliéster pode chegar a 100 anos. Também a tonalização com produtos naturais é muito mais eficiente na juta do que no algodão, pois suas cores ficam mais intensas e com mais brilho.

Seu preço possui um valor inferior a tecidos como o linho e a seda, oferecendo preço de mercado para o usuário. Essa fibra era normalmente usada na confecção de sacaria, portanto, considerada de pouco valor para a indústria têxtil.

Lã: Devido ao processo manual de cardagem, fiação e tecelagem e também por não usar pesticidas em pastos ou nos animais, esta lã possui um aspecto natural, rústico, artesanal e ecológica.

Novelos de lã

Lã ecologicamente correta é a escolha certa para o inverno

Ao contrário dos métodos tradicionais, também não é utilizado cloro para o clareamento da lã das ovelhas. Todo o tingimento é feito com plantas locais, evitando os corantes sintéticos e a conseqüente contaminação do lençol freático.

Não são empregados hormônios indutores do crescimento da lã. A quantidade de animais é limitada por área, evitando situações de estresse ás ovelhas.

A lã possui uma excelente capacidade térmica, produzindo calor mesmo quando molhada; suas fibras não se deformam quando encharcadas, conservando as micro-câmaras de ar de sua estrutura. Também absorve bem a umidade e a transpiração, como as fibras naturais em geral.

Cashmere: Lã fina e macia obtida a partir do pêlo de cabras da região da Caxemira, situada na Índia e no Paquistão, cujo fio pode ser usado puro ou misturado a outras lãs e tecidos.

Fique atento ao país de origem do cashmere que você compra

Fique atento ao país de origem do cashmere que você compra

Os Estados Unidos têm sido inundados por cashmere barato da China, que por seu processo de democratização acaba por desencadear uma série de conseqüências ambientais. O cashmere barato feito na China vem prejudicando as pastagens desse pais.

Os motivos são:

  1. Uma grande demanda causando um desequilíbrio ecológico.
  2. Na última década, a população de bodes produtores de cashmere da região de Alashan, na China, tem multiplicado de forma vertiginosa, acabando com as pastagens da região.
  3. Essa superpolução raspa os cascos pontudos no chão, gerando uma gigantesca nuvem de poeira que atravessa o Pacífico e polui a costa da Califórnia, provocando problemas respiratórios.

É hora de salvar as pastagens chinesas, boicotando o cashemere “made in China”. Diga “não” para a  exportação da pobreza para o resto do mundo.

Látex: Tecido da floresta, couro vegetal da Amazônia. Um produto que contribui para o desenvolvimento sustentável, à base de látex natural, extraído das seringueiras, aplicado sobre tecido. A fumaça, empregada antigamente durante a vulcanização, foi substituída pela secagem ao calor do sol, não afetando a saúde dos produtores.

Látex | Couro vegetal da Amazônia

Látex | Couro vegetal da Amazônia

Suas características estéticas são similares às do couro convencional. Artigos de vestuário, bolsas, mochilas, pastas e uniformes são confecionados a partir da junção do algodão e da borracha num processo que gera renda e reduz o desmatamento.

Linho: Tecido resistente, flexível, macio e fresco. O linho pode absorver umidade até 20% do seu peso seco, sem que isto seja perceptível ao toque. Tal poder de absorção faz com que se torne um isolante térmico natural, devido ao ar mantido entre suas fibras. A umidade fica presa nas fibras, longe do corpo, não permitindo a entrada do calor.

Tecido de linho

Tecido de linho

Pode ser usado em qualquer estação. No tempo quente, absorve umidade e repele o calor; no frio, retém o calor do corpo.

Previne problemas de pele por ter o PH balanceado, promovendo uma boa ventilação. Não deforma e nem é atacado pela traça.

Pet reciclado: Malha de muito boa qualidade, com valor social e ecológico agregado. Responsáveis por uma grande quantidade dos resíduos sólidos coletados no nosso país, as garrafas PET, feitas de um material de difícil decomposição, são retiradas do ambiente.

Por meio de recursos tecnológicos, a combinação destas fibras de poliéster – a partir de PET – com as de algodão permite a criação de uma malha resistente, com durabilidade e de cores sólidas idênticas ao poliéster tradicional.

Os uniformes do Mundo Verde são feitos de pet reciclado

Os uniformes do Mundo Verde são feitos de pet reciclado

Algumas pesquisas têm revelado que o impacto ambiental da confecção de tecido reciclado é menor que quando se usa fibras virgens. A economia de energia na produção reciclada é de 76% e a redução de emissões de CO2 é de 71%.

A coleta e seleção de recicláveis também favorecem mais de 250 mil catadores, transformando-se em fonte de renda para pessoas menos favorecidas.

Seda: Um material nobre e milenar na indústria da moda. Possui transparência, maciez, fluidez, leveza, brilho e conforto, mesmo quando desenvolvidos de modo artesanal e rústico. Em dias quentes a seda ajuda a esfriar a pele através da evaporação e, em dias frios, mantém o corpo seco e aquecido. Adequada a todas as estações e não provoca irritações de pele.

Seda: tecido nobre que também pode ser ecologicamente correto

Seda: tecido nobre que também pode ser ecologicamente correto

Obtida a partir dos casulos do bicho-da-seda por meio de um processo de sericicultura. A fibra de seda natural é um filamento contínuo da proteína, produzido pelas lagartas de alguns tipos de mariposa, que expelem, através das glândulas, o líquido da seda (a fibroína) envolvido por uma goma (a sericina), solidificando-se imediatamente quando em contato com o ar.

As suas fibras possuem uma resistência limitada ao uso. Perde solidez com a luz do sol e a transpiração. Resiste mal às traças, insetos, etc. Apesar de secar rápido, exige cuidados na lavagem e tratamento, pois não gosta de ácidos e bases (ácidos acéticos ou vinagre e produtos químicos).

Patchwork: Um quebra-cabeça de retalhos coloridos formando detalhes geométricos. A transformação de tecidos e a utilização do Pachwork (em inglês, significa trabalhar com retalhos) é uma técnica de reaproveitamento dos materiais têxteis em produtos de moda e uma alternativa em prol da ecologia.

Retalhos para uma moda consciente

Retalhos para uma moda consciente

Consiste em unir pedaços de tecidos de diferentes cores e padrões costurando-os de forma que o resultado final assemelha-se a um mosaico.  Sem regra para determinar o tipo de desenho formado, os vários motivos existentes variam conforme o momento histórico de cada povo e da expressão pessoal do artesão.

Esta técnica milenar – reaproveitamento de tecido velho –  diminuiu consideravelmente  com o surgimento da tecelagem industrial. Em épocas onde os tecidos eram bens muito valiosos, as classes ricas utilizavam-na para criar obras de arte, tanto para a indumentária de faraós e reis como para adornos dos palácios. Já nas classes pobres, o Patchwork serviu como forma de reaproveitamento dos restos de roupas velhas para a transformação em novas roupas ou mesmo utilitários para o lar. Yves Saint Laurent é um estilista que passou a utilizar esta técnica em suas luxuosas peças criadas nos padrões da alta-costura.

Read Full Post »

O Blog Mundo Verde recebeu mais um artigo colaborativo de Isabela Antunes Joffe. Desta vez, Isabela escreve sobre o mercado da moda e o desafio de utilizar fibras e tecidos produzidos de forma sustentável, sem agredir ao meio ambiente e valorizando a mão de obra. Vamos dividir o artigo em três partes e esta primeira é uma introdução às características atuais do mercado têxtil. Confiram:

A FAO, órgão das Nações Unidas responsável pelos assuntos ligados à agricultura e alimentação, declarou oficialmente o ano de 2009 como o Ano Mundial das Fibras Naturais, com a finalidade de esclarecer sobre a sua importância e estimular o seu uso.

Segundo a ONU, tal resolução pode ajudar milhões de pessoas, principalmente as humildes em países pobres, que dependem da produção e do processamento de fibras naturais para sobreviver. Além disso, seu cultivo colabora com a segurança na produção de alimento e no desempenho econômico desses pequenos agricultores. Outras razões são: o aquecimento global, a necessária redução da emissão de gás carbônico e o final do período de petroquímicos para o início da era de bioquímicos.

A preocupação com a moda verde começa ainda no processo de produção das fibras

A preocupação com a moda verde começa ainda no processo de produção das fibras

De acordo com órgão americano que monitora a emissão de poluentes no mundo – Environmental Protection Agency – a indústria têxtil é considerada umas das que mais consomem recursos naturais, como água e combustíveis fósseis. A cultura de algodão, por exemplo, é responsável por cerca de 30% da utilização de pesticidas na Terra, contaminando o solo e os rios.

São muitas as indústrias no mundo que tem abandonado o uso de substâncias químicas perigosas que, na opinião de vários especialistas, são cancerígenas e podem comprometer o sistema hormonal e reprodutor das pessoas. Assim, a produção de variedades excessivas de artigos, de matérias-primas sintéticas, de origem animal, bem como o uso indiscriminado de energia não são mais bem vindos, levando-nos a uma mudança no nosso estilo de vida.

O poliéster, o acrílico, o poliamida e o elastano – fibras derivadas do petróleo – estão cada vez mais, sendo substituídas pelas ecológicas, de produção limpa.

Você sabe a origem da linha que faz sua roupa?

Você sabe a origem da linha que faz sua roupa?

Para um confeccionista verde, a função da roupa tornou-se não apenas a de proteger ou decorar, mas a de ser ecologicamente correta, proporcionar o bem-estar, ter propriedades bactericidas e oferecer proteção contra os raios ultravioletas.

A “moda ética” é reconhecida pelos 5Rs oriundas do o2 Global. Esta rede internacional foi criada para informar, inspirar e conectar as pessoas interessadas e envolvidas no desenho industrial, arquitetura, estilo, design gráfico, moda, inovação e artes. O produtor deve Reciclar Reusar, Reduzir, Recuperar e Respeitar para merecer a etiqueta ECO, dentro dos padrões socialmente corretos, preservando a natureza e a saúde do agricultor.

É desta forma que a “ecoleção” chegou nos oferecendo energia natural para viver a vida: as malhas de fibras naturais e orgânicas são as matérias primas.  Técnicas adequadas de tingimento são feitas com corantes naturais e de baixo impacto, eliminando os tóxicos, que contêm metal pesado com a utilização mínima de embalagens e o máximo de material reciclado. As etiquetas podem ser confeccionadas da reciclagem de sobras dos tecidos.

Materiais ecologicamente corretos para uma produção consciente

Materiais ecologicamente corretos para uma produção consciente

E o Brasil, país de clima tropical, pode oferecer uma gama de tecidos alternativos, valorizando um consumo inteligente. Um design tem o poder de ser um veículo de comunicação de idéias, conceitos, valores, de transformação social e educação ambiental.

Vocês costuma comprar roupas de tecidos ecológicos? Conte pra gente sua experiência!


Read Full Post »

Em um texto publicado no site oficial da Rede Mundo Verde, Isabela Antunes Joffe fala sobre os cuidados que devemos ter na escolha dos cosméticos e produtos de beleza. Intitulado “Diga não aos ingredientes sintéticos e tóxicos nos produtos cosméticos” o artigo destaca a importância e o cuidado necessários na escolha de produtos que servem para o cuidado da pele e do cabelo.

japonesa cosméticos

Para ser ecologicamente correto não basta se alimentar bem e de forma sustentável e por isso estamos sempre alertando para a necessidade de levarmos a luta por um Mundo mais Verde para todas as esferas da nossa vida.

Confira alguns trechos do artigo de Isabela sobre o assunto:

A primeira coisa que se deve verificar na embalagem, ao comprar um cosmético, seja um creme ou um xampu, é se há autorização ou o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Toda a informação contida no rótulo deve obedecer à International Nomenclature of Cosmetic Ingredient (INCI), um sistema internacional que permite classificar de modo padronizado os mais de 12 mil ingredientes que podem entrar na composição de um cosmético.

Geralmente o primeiro ingrediente a aparecer é a água, porque é quase sempre um dos maiores constituintes. Um creme hidratante, por exemplo, leva cerca de 90%. Algumas empresas utilizam a destilada (puríssima) e outras a termal (mineral).

Em relação aos hidratantes, é importante prestar atenção ao tipo de óleo que o produto tem como princípio ativo. As alternativas são os óleos minerais ou os vegetais. Os óleos vegetais são extraídos de plantas, como os de amêndoa, oliva, semente de uva, milho e soja. Já os minerais são derivados de petróleo e são mais baratos. Diferentemente dos vegetais, estes não penetram na derme, apenas lubrificam a superfície e dão a sensação de hidratação.

A pele humana não reconhece o óleo mineral. Eles costumam deixar a pele oleosa e não hidratada, podendo haver o aparecimento de acne. Além disso, a produção desse óleo libera gás carbônico na atmosfera e interfere na camada de ozônio.

É preciso estar atento também aos conservantes, pois podem trazer malefícios à saúde. Os parabenos são os mais antigos. Eles penetram na pele e se depositam nas glândulas, indo direto para a corrente sanguínea e alterando os níveis de estrogênio. Não devem ser usados, de modo algum, por gestantes, lactantes, crianças e pacientes sob diversos tratamentos, como câncer, reposições hormonais e terapias crônicas.

Muitos outros nomes aparecem no rótulo, a maioria referindo-se a produtos utilizados para estabilizar os cosméticos. Teoricamente, esses produtos não têm uma toxicidade significativa, porque serão aplicados sobre a pele. Mas a maior parte das pessoas deve ter atenção e saber identificar algum tipo de ingrediente a que seja alérgico. Caso use um produto e algum problema surja, é importante consultar um dermatologista para tentar identificar o componente a que é alérgico.

Confira também alguns lançamentos de produtos cosméticos que já estão nas lojas do Mundo Verde:

Chantillys Hidrantantes Nature Frangance Pro Aloe

Chantily Hidratante Pro Aloe

Os chantillys hidrantantes Pro Aloe são enriquecidos com Aloe vera, uma planta muito conhecida no Brasil pelo nome de “babosa”. Essa planta é usada há séculos devido às suas propriedades medicinais ligadas à beleza, saúde e cuidados da pele e cabelos.

Loções Top Frangance Pro Aloe

Loção Top Fragance Pro Aloe

Um hidratante perfumado de longa duração que proporciona intensa hidratação. Sua fórmula de rápida absorção, com Aloe Vera, cuida da pele e proporciona o equilíbrio ideal entre hidratação, suavidade e perfume.

Read Full Post »

A partir do mês de Agosto o Blog Mundo Verde vai receber posts colaborativos de vocês, leitores e admiradores da filosofia da Rede. Queremos contar com a participação de todos para fazer o conteúdo do Blog ainda mais dinâmico e interativo. Para isso, determinamos duas categorias de assuntos para que vocês escrevam suas contribuições:

  • Receitas para um Mundo mais Verde: Escreva uma receita nutritiva utilizando algum produto que seja vendido nas lojas da Rede Mundo Verde! Sua receita pode aparecer em um de nossos posts!
  • Preserve o Verde, o Mundo é seu: Participa de algum grupo de defesa ao meio ambiente? Tem afinidade com causas ambientais, ecoeficientes ou luta pela preservação do planeta? Escreva um artigo, poema ou recado e mande pra gente! Queremos ajudar a divulgar a sua causa!

blogging

A princípio, postaremos uma contribuição a cada quinze dias, intercalando sempre uma receita e um artigo sobre sustentabilidade. Cada uma das contribuições passará pela avaliação prévia da Diretoria de Marketing da Rede Mundo Verde e das nutricionistas (no caso das receitas). E, é claro, quem colaborar estará automaticamente autorizando o Mundo Verde a utilizar seu nome e conteúdo no Blog (daremos os devidos créditos).

Ficaremos muito felizes em contar com a sua colaboração! Escreva pra gente! blog@mundoverde.com.br!

Read Full Post »

Older Posts »